Bolhas virtuais, velocidade e excesso na rede: um estudo das fake news sob o ponto de vista dos estudos da comunicação

UM ESTUDO DAS FAKE NEWS SOB O PONTO DE VISTA DOS ESTUDOS DA COMUNICAÇÃO

  • Maurício José Melim Faculdade Ielusc
  • Daniel Schattschneider
  • Ieza Cristina da Fonseca Miranda
Palavras-chave: Fake News. Pós-verdade. Cibercultura. Internet. Informação

Resumo

Desde pelo menos o ano de 2016, a imprensa mundial discute com assiduidade a pós-verdade e seu modo mais imediato de expressão, as fake news. Como sugeriu o dicionário Oxford, pós-verdade diz respeito à situação em que apelos espetaculares e crenças particulares se tornam mais importantes que fatos objetivos na formação da opinião pública. É sobre a pós-verdade e as fake news que trata este trabalho. Seu objetivo geral é explicar o que leva usuários a se engajar em notícias falsas. É fácil perceber a importância e o tamanho do problema. Informações falsas atingem aquilo que é central para qualquer sociedade e para qualquer indivíduo, que é a informação que encontra correspondência na realidade. Sem dados corretos e confiáveis, nenhuma decisão acertada pode ser tomada. A ação das fake news tem sido vinculada a acontecimentos capazes de afetar o rumo de sociedades inteiras, como as eleições presidenciais americanas, em 2016, o Brexit, em 2017, e as eleições presidenciais brasileiras, em 2018. Partindo de um enquadramento do campo da comunicação, optou-se por privilegiar o olhar sobre o usuário das redes e a cultura digital em que se insere. Deixou-se de lado questões que envolvem o produtor de fake news e privilegiou-se o usuário comum, que consome e reproduz esse tipo de informação. Nessa linha, examinou-se o funcionamento das bolhas virtuais e também as condições da informação nas redes, a saber, a velocidade e o excesso. Em termos metodológicos, desenvolveu-se um estudo exploratório e qualitativo a partir de fontes bibliográficas. Durante quatro meses, em 2017, o grupo de pesquisa se debruçou sobre materiais da imprensa nacional e internacional para traçar um panorama das fake news a partir da maneira como a sociedade a estava percebendo e sentindo. Vencida essa etapa, procurou-se examinar possíveis ligações entre o engajamento de usuários em notícias falsas e as bolhas virtuais, a velocidade e o excesso de informações nas redes. De acordo com as discussões realizadas neste trabalho, usuários tendem a se engajar em fake news porque, entre outras razões, estão envolvidos em bolhas virtuais. Isto é, bolhas de dados sintonizados com seus repertórios e que, por isso, diminuem as chances de uma atitude cética e cuidadosa, aumentando assim a adesão às postagens falsas. Um outro motivo para o rápido crescimento das fake news está ligado ao modo como a informação tem chegado aos usuários. Informações em demasia e que mudam a todo instante, segundo apurou-se, têm contribuído para gerar indivíduos com dificuldades de interpretação e análise de textos, dificuldades de concentração, indivíduos ansiosos e hiperativos. Tais características, argumenta-se aqui, tendem a produzir usuários incapazes de ler com atenção e de suspeitar do conteúdo que consomem, e, deste modo, a elevar as taxas de propagação de fake news.

Publicado
2019-06-26