Doação de órgãos e tecidos para transplantes sob a ótica dos acadêmicos de Enfermagem

  • Rosilda Veríssimo Silva Faculdade Ielusc
  • Maisa Renta Hostim Faculdade Ielusc
  • Morgana Dacoregio Faculdade Ielusc
  • Solange Abrocesi Faculdade Ielusc
Palavras-chave: Doadores de Tecidos. Transplante. Transplante de órgãos. Estudantes de enfermagem

Resumo

O transplante é muitas vezes, a única alternativa para a manutenção de qualidade de vida humana. Diferentes órgãos e tecidos são passíveis de doação   e a retirada é precedida de confirmação da morte encefálica por profissionais da medicina. Estes avaliam o doador por meio de critérios precisos e padronizados no território nacional. Coração, fígado, pâncreas, pulmão e rim; medula óssea, córneas e ossos são exemplos de órgãos e tecidos transplantados. Ainda sobre isso, ressalta-se que esse material pode ser obtido de doador falecido ou vivo. No Brasil, os potenciais receptores são cadastrados em uma fila única e passam por diversos exames prévios ao procedimento cirúrgico no intuito de averiguar a compatibilidade dos órgãos. Para o procedimento de doação e transplante ocorrer os doadores devem expressar em vida esse desejo, entretanto, a família é responsável por autorizar o procedimento quando há morte encefálica.   No Brasil tem crescido a necessidade de transplantes e o enfermeiro é responsável por várias ações nas diferentes etapas desse processo. Como integrante da equipe de saúde, muitas vezes esse profissional realiza a abordagem a família, no caso de pacientes internados em hospitais para a captação de órgãos e tecidos. Durante a formação é relevante conhecer os aspectos ético profissionais envolvidos bem como a maneira para expor a necessidade aos familiares. Uma primeira aproximação do problema instigou as autoras a questionar o que sabem acadêmicos enfermagem sobre a temática. Essas reflexões conduziram a elaboração desse estudo que teve por objetivo geral identificar o conhecimento dos acadêmicos de um curso de graduação em enfermagem no sul do Brasil sobre doação de órgãos e tecidos para transplantes. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de caráter descritivo, realizada com 152 acadêmicos matriculados no referido curso. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisas sob o número de parecer 2.046.967. Os participantes responderam um questionário elaborado para esse estudo que foi entregue no período de aulas sendo devolvidos após a resposta às questões. No instrumento havia perguntas abertas e fechadas, contendo dados socioeconômicos e questões de múltipla escolha sobre a temática da pesquisa   contendo, intencionalmente, afirmações falsas e a opinião sobre o processo de transplante e doação de órgãos. Os questionários foram organizados conforme o ano de matrícula e procedeu-se à transcrição das respostas para a análise temática. Emergiram como temáticas: refletindo sobre o processo de doação de órgãos e tecidos para transplantes de modo favorável; o processo de doação de órgãos e tecidos como um ato solidário e avanço tecnológico capaz de salvar vidas; a articulação dos serviços informativos para o esclarecimento da população; a formação do enfermeiro como estratégia para ampliar o processo de transplante e doação. Observou-se que os acadêmicos identificam a viabilidade e restrição dos possíveis órgãos para realização do transplante. No geral considera-se que o tema poderia ser abordado de forma interdisciplinar nas diversas etapas da formação acadêmica, pois qualifica o cuidado de enfermagem às pessoas e suas famílias nas diversas áreas de atuação do enfermeiro.

Publicado
2019-06-26