Educomunicação como ponte entre o ensino de jornalismo, pessoas com deficiência e adolescentes

  • Marília Crispi de Moraes Marilia Ielusc
  • Ana Carolina João
  • Thaline Cardoso
Palavras-chave: Educomunicação. Jornalismo. Protagonismo. Pessoas com deficiência. Adolescentes.

Resumo

O artigo relata duas experiências de educomunicação realizadas por acadêmicas de Jornalismo da Faculdade Ielusc em 2018. Busca-se demonstrar como é possível estabelecer ações de extensão também ao longo do percurso curricular, além de exemplificar como a prática educomunicativa pode trazer bons resultados tanto para a formação do futuro jornalista quanto para as comunidades envolvidas. O estudo fundamenta-se nos preceitos acerca de jornalismo comunitário, com ênfase para as obras de Cicilia Peruzzo, bem como as pesquisas sobre educomunicação desenvolvidas por Ismar de Oliveira Soares, Adilson Citelli e, em âmbito íbero-americano, por Guilhermo Orozco Gómez. A primeira experiência relatada aborda a produção da revista Entrelaços, na qual onze pessoas com deficiência intelectual atuaram como protagonistas, desde a formulação de pautas até a produção de imagens, textos e edição. O segundo relato trata da realização de análise crítica de mídia, por meio de realização de grupo focal, com estudantes do terceiro ano do ensino médio de uma escola pública. Em ambos os casos, a educomunicação mostrou-se eficaz para estabelecer uma ponte entre ensino, extensão e comunidades.

Publicado
2019-06-26