A matemática e os campos da experiência da educação infantil

  • Delci Klein Instituto Superior de Educação Ivoti
  • Raquel Dilly Konrath Instituto Ivoti
Palavras-chave: Educação Infantil. Campos de Experiências. Matemática. Formação de professores

Resumo

A Educação Infantil, a partir da LDB (1996) é considerada a primeira etapa da Educação Básica. Desse modo, integra a Base Nacional Comum Curricular – BNCC (BRASIL, 2017), que preconiza que os educadores(as) devem organizar as experiências vivenciadas pelas crianças desta etapa a partir de diferentes campos. O eu, o outro e nós, Corpo, gestos e movimentos, Escuta, fala, pensamento e imaginação, Traços, sons, cores e formas e Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações constuiem-se nos Campos de Experiências elencados pela BNCC. O presente texto tem o objetivo de mostrar como esses campos de experiências podem ser permeados pelo conhecimento matemático. Chama-se a atenção para o cuidado com a abordagem da matemática quando falamos em Educação Infantil, pois o objetivo, nesta etapa, não é desenvolver os conteúdos matemáticos e, sim, desenvolver o pensamento matemático [que transita nas unidades temáticas], ao nível das primeiras noções desse pensamento. Estas discussões estão fundamentadas em autores como LORENZATO (2011), FAYOL (2012), KAMII (1988), entre outros. A BNCC sinaliza para a construção de uma organização pedagógica por meio de vivências, como uma possibilidade que respeita as especificidades das crianças se expressarem através de diferentes linguagens, valorizando as suas capacidades de socialização, favorecendo a autonomia e a confiança. Para FOCHI (2015) o currículo constitui-se em vida cotidiana que encaminha para a experiência que busca sentido, que considera a dinâmica da sensibilidade do corpo, a observação, a imaginação, a ludicidade, a significatividade, a continuidade, o cuidado consigo e com o mundo e não para a perspectiva do seu resultado. Nesse contexto, o professor é ator central, aquele que escolhe e organiza as experiências com e para as crianças. NEGRINE (2002) defende a importância da formação do professor para atuar nessa nova organização pedagógica, de forma consistente e fortalecida em três pilares: formação teórica, pedagógica e pessoal. A inserção do lúdico na formação dos professores deve ser compreendida no sentido não apenas da sua instrumentalização ou aplicabilidade no processo de ensino e aprendizagem, mas no sentido mais abrangente que coincide com a finalidade da educação: a de promover uma educação integral, voltada ao desenvolvimento humano, da autonomia pessoal e ao aprender a conviver e a ser. A partir das vivências desenvolvidas com um grupo de professores (as) da Educação Infantil, pode-se afirmar que a experiência, a discussão conceitual da matemática e o estudo de cada Campo de Experiência, permitiu estabeler relações entre estes e que sim, as experiências com jogos, materiais em diferentes contextos matemáticos permeiam os Campos de Experiências da Educação Infantil e se configuram em potencial para a aprendizagem e o desenvolvimento do pensamento matemático das crianças. Isso se evidenciou pela prática oportunizada pela vivência concreta no âmbito do lúdico.

 

PALAVRAS-CHAVE: Educação Infantil. Campos de Experiências. Matemática. Formação de professores

Publicado
2019-06-26